fbpx

Parto Normal com ou sem Episiotomia?

Nos últimos anos, podemos observar um aumento no número de mulheres buscando informações sobre o parto normal. As principais dúvidas geralmente estão relacionadas com os benefícios do parto normal e a melhor forma de realizá-lo. 

Durante este processo de retomada da importância do parto natural, diversos profissionais da área da saúde passaram a questionar algumas técnicas e procedimentos utilizados durante o parto, como é o caso da episiotomia.  A própria OMS (Organização Mundial de Saúde) publicou um documento chamado Intrapartum care for a positive childbirth experience onde recomenda NÃO realizar a episiotomia de forma liberal ou rotineira.

Para entender esta recomendação, convidamos a Dra Maíra de La Rocque, Ginecologista e Obstetra especialista em Medicina Fetal, para explicar o que é a Episiotomia e porque não realizá-la pode ser a melhor escolha.   

O que é episiotomia no Parto Normal? como diminuir as chances de laceração no parto normal? fisioterapia pélvica para gestantes?  

O que é a episiotomia? 

A episiotomia é um corte realizado no períneo da mulher, no período expulsivo do trabalho de parto, ou seja, no momento que o bebê está saindo. 

A passagem do bebê pelo canal vaginal pode, em  alguns casos, gerar cortes espontâneos, que chamamos de laceração

Durante muitos anos, a episiotomia foi defendida como uma maneira de evitar essas lacerações pois ela protegeria a musculatura do assoalho pélvico, diminuindo a pressão sobre ela, e diminuiria o risco de sofrimento fetal, pois abreviaria o período expulsivo. 

Mas as evidências científicas atuais vem para provar que essa afirmação não é real. Não são todos os partos que irão gerar lacerações e não existe necessidade de abreviar o período expulsivo se o bebê estiver bem.

Episiotomia ou Laceração Espontânea? 

A episiotomia é considerada uma laceração grau II extensa pois ela é um corte que afeta a mucosa e a musculatura do assoalho pélvico.  Como não serão todos os partos que terão laceração, ao fazer a episiotomia o médico está, voluntariamente, gerando uma laceração grau II em uma paciente que poderia ter somente uma laceração da mucosa (grau I) ou até não ter lacerações. 

Cada bebê é um bebê, cada parto é um parto –e nós não temos como prever se haverá , ou qual o tipo de, laceração que ocorrerá. 

mas nós temos maneiras de diminuir a chance de ocorrer uma laceraçãoE quais seriam? 

Recomendações para evitar ou reduzir a Laceração Perineal

  • Deixar a mulher escolher a posição que ela irá parir 
  • Evitar a posição clássica  – de litotomia – aquela da mesa ginecológica, com os joelhos para o alto.  
  • Dar preferência às posições verticalizadas (em pé, de cócoras, sentada) ou em quatro apoios. 
  • Fazer massagem perineal e uso de compressa morna para relaxamento muscular 
  • Fazer um trabalho de consciência e reforço da musculatura perineal com fisioterapia pélvica durante a gestação
“A episiotomia é considerada violência obstétrica e a mulher tem o direito de recusar que a mesma seja feita. Informe-se e se prepare de maneira adequada para estar preparada para o seu momento.”

Dra Maira de La Rocque

Dra Maíra de La Rocque

Ginecologista e Obstetra
Formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Residência Médica pelo Hospital Universitário Antonio Pedro – UFF
Especialista em Medicina Fetal pela Perinatal/ IETECS
www.delarocqueginecologia.com.br
@dramairadelarocque
YouTube: Banho de Estrogênio
Spotify: Banho de Estrogênio

 

Gostaria de agradecer a contribuição mais que especial da Dra Maíra de La Rocque. Para saber mais sobre o trabalho da Dra Maíra é só acompanhar o perfil no instagram @dramairadelarocque ou então através do Canal no YouTube: Banho de Estrogênio 

E se você quiser saber mais sobre o trabalho da fisioterapia pélvica na preparação perineal para o parto clique aqui 

 Dra Isabel Fonseca

Dra. Isabel Fonseca

  • Fisioterapeuta Pélvica
  • Responsável pelo setor de Fisioterapia Pélvica Feminina da Clínica Urobecken
  • Membro da Associação Brasileira de Fisioterapia na Saúde da Mulher (saiba mais sobre a dra Isabel)

Deixe um comentário

×